Arquivos da categoria: Lord Pascal

Duvidas…

Viva a vida. Viva!
mas, viver que vida?
a vida egoísta que a mim é oferecida?

Viva? a vida viva?
viver a vida do canudo de papel
sejamos bons e na morte ir para o céu.

Viva… ah vida viva.
vida de um antropocentrismo eterno.
vida egoísta transformada em inferno.

Viva. A vida viva.
viver somente para não morrer
na batalha do irmão vencer.

Viva a vida. Viva?
Viver para estudar e ser alguém.
Sem diploma Zé Ninguém?

Vivo, vivo a vida sim
e não a quero vive-la só para mim

quero vive-la do meu jeito
não importa se nela há defeito
quero apenas viver.

E mostrar ao ódio eterno
para sociedade irônica do Deus fraterno
que posso apenas viver
ajudando ao próximo a não morrer.

Lord Pascal

Lembranças

Sinto no peito o gosto amargo
gosto ora forte ora fraco
sabor que em meu peito vive
coração que apenas bate. Sobrevive

É o gosto da presença eterna
de quem há muito se fora
gosto triste e calejado
do peito desalmado

peito cuja alma fora expulsa
e vive então na amargura
sabendo que nunca vai esquecer
condenado a jamais re-viver

simplesmente condenado a chorar
Não sente o sabor do lembrar
por não saber esquecer
novamente, condenado a não reviver

não vê a beleza da lembrança manchada
cujo o tempo maldosamente rasgara
deixando somente a lembrança
do tempo da bonança

Não, ele não esquece
Não tem do que lembrar
simplesmente apodrece
já não consegue amar

Sim, ele sente a dor
a foto não precisa olhar
é tudo o mesmo sabor
não precisa a mente refrescar

talvez, ele acredite em outras vidas
e por isso ele pense em se matar
não para curar as feridas
mas por esquecer-se de como lembrar.

Lord Pascal

Morango e Leite Condensado

Escore dos lábios
De cor encarnada
Na pele de Jambo
O branco da lata

Vem o trabalho
da língua sensual
que na busca do sabor
e limpa o metal

E surge o vermelho
da fruta do amor
envolvida nos lábios
me expondo ao calor

e então imagino
meu novo pecado
beija-te na boca
fazer-me amado

louco em mim
percebo que sou
aquele que deseja
mas nunca amou

acordo do sonho
com corpo suado
era apenas morango
e leite condensado.

Lord Pascal

Brilho do sol

Hoje o sol ilumina minhas costas.
Somente porque estou de costas ele apareceu.
Seu brilho reflete no papel.
Ora forte, ora fraco.
(…ate mesmo o sol tem momentos onde não quer brilhar…)
Fraco, de brilho fraco.
Porque escrever sobre o sol?
(…parece-me coisa de tolo…)
Seu brilho no papel fica mais forte.
O sol que muitos contemplam.
Percebo agora que é apenas o Sol.
Sol que bate nas minhas costas.
Não vou virar-me e olhar-te
Ver como é belo seu brilho.
Ficarei aqui.
Olhando para minha sombra.
E quando mais belo seu brilho for.
Mas perfeita minha sombra será.
(…sol…)

Lord Pascal