Estranho olhar

Olhar que cega
fura minh’alma
incomoda o peito
estranhamente consola

o Estranho me encara
fazendo-me sua
domina meu pensamento
sinto-me desnuda

pequena é a vergonha
do rubro que brota
na face de mulher
segredos de outrora

então fecho os olhos
falta-me o ar
sinto a vontade
deste Estranho amar

e o calor me invade
toma meu corpo
velhos desejos
com sabor de novo

e por uns instante sou sua
sem querer, sem amar
matar seu desejo, Estranho
Escrava presa em olhar

Leila Piedad

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *